Comer Carne é fundamental para a Saúde

7 de Abril: Dia Mundial da Saúde

Quais as vantagens para saúde?

 Que me perdoem veganos e vegetarianos, mas comer carne é fundamental. Para quem discorda, segue uma série informações para mudar de ideia. Para quem concorda com essa premissa, aqui estão apresentadas mais razões para comer carne e ser feliz.

A carne vermelha é uma fonte proteica de alto valor biológico, fornecendo cerca de 20-25 g de proteína cada 100 g de carne consumida. Quando cozida, ocorre redução do teor de água e os nutrientes ficam mais concentrados, resultando em 28-36 g de proteína / 100 g (Willians, 2007).

A proteína presente na carne é considerada altamente digestível (cerca de 94%), se compararmos por exemplo, com a digestibilidade das proteínas do feijão e do trigo integral, de 78% e 86% respectivamente (Willians, 2007).  Além disso, a carne vermelha fornece muitos minerais e vitaminas que são essenciais para nossa saúde como: ferro, zinco, fósforo, selênio, ácido fólico, vitaminas B6 e B12, sendo ainda uma fonte interessante de poliinsaturados ômega-3, ácido oléico e do ácido linoléico conjugado (CLA). (Veja mais no INFOGRÁFICO)

Benefícios da Carne VermelhaDerrubando o mito

O consumo de carne bovina já foi muito relacionado com aumento do peso, desenvolvimento de doenças cardiovasculares e diabetes. Dessa forma, por muitos anos a recomendação era reduzir ou mesmo evitar consumo desse tipo de carne.  A desconfiança era grande e compreensível.

Entretanto, estudos recentes buscam desmitificar afirmações como estas. Em 2010, o grupo da pesquisadora Renata Micha, da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard, analisaram vários estudos realizados com a população dos EUA, e concluíram que o consumo de carnes vermelhas não está associado com ao aumento da incidência de doenças cardíacas e metabólicas.

Somado a isto, pesquisas em 2008 já revelavam que o consumo de carne em uma dieta com baixa ingestão de carboidratos colabora mais na perda e manutenção do peso, do que uma dieta com ingestão de energia semelhante, mas pobre em proteínas (Layman, et al., 2008; Paddon-Jones et al., 2008). Isto porque, a carne vermelha magra possui baixo índice glicêmico (é importante conteúdo de gordura na porção não seja muito alto, para não elevar o nível de ingestão diária de energia).

De olho nos ácidos graxos

Mesmo com o consumo de carne vermelha magra, continuamos ingerindo os ácidos graxos livres presentes na carne e também aqueles que estão nas membranas das células musculares, como os poliinsaturados ômega-3.

É fato que, as concentrações de ômega-3 encontradas na carne bovina e de cordeiro são menores do que aquelas encontradas em peixes oleosos (0,28 mg e 0,52 mg vs. 19,9 mg / g) (Mc Afee, 2010).  Entretanto, essa contribuição pode ser mais importante do que se pensava anteriormente, pois em muitos países a ingestão de carne vermelha é maior do que o consumo de peixes.

Os pesquisadores da equipe de Peter Howe do Centro de Pesquisa em Fisiologia Nutricional da Austrália observaram que carnes e seus produtos contribuem com 43% da ingestão dietética total de ômega-3, em comparação com 48% de peixes, devido à ingestão de carne pela população ser seis vezes maior do que peixes oleosos. Outro fator colabora que para este cenário, é que na Austrália grande parte dos animais são criados a pasto aumentando a proporção de poliinsaturados ômega-3 nas carnes.

O CLA é outro ácido graxo que merece destaque, sendo predominante na carne e no leite de ruminantes devido ao processo de biohidrogenação no rúmen, e por isso recebe o nome trivial de ácido rumênico. O CLA possui uma variedade de efeitos fisiológicos que podem trazer benefícios à nossa saúde, como a redução de doenças cardiovasculares, prevenção de diabetes, ativação do sistema inume e, principalmente, prevenção ao câncer.

Carne Angus | Sabor e Saúde
Componentes bioativos

A L-carnitina transporta ácidos graxos de cadeia longa por meio das membranas mitocondriais internas para produzir energia durante o exercício. Embora não seja um nutriente essencial, as necessidades aumentam durante a gravidez e após o exercício físico intenso. A ingestão recomendada pode variar de 24-81 mg/dia. Esse composto é particularmente abundante na carne ovina podendo chegar até 209 mg/100 g, e na carne de bovina a cerca de 60 mg/100 g (Willians, 2007).

A creatina também desempenha um papel importante no metabolismo da energia muscular.  A creatina presente carne vermelha (cerca de 350 mg /100 g) possui alta absorção, sendo a nossa principal fonte alimentar. Para aumento da performance esportiva o consumo de carnes vermelhas pode ser associado com a suplementação.

Referências

McAfee A. J., et al. Red meat consumption: An overview of the risks and benefits. Meat Science, v. 84 p. 1–13, 2010.

Layman, D. K., et al. Protein in optimal health: Heart disease and type 2 diabetes. American Journal of Clinical Nutrition, v.87, p.1571–1575, 2008.

Paddon-Jones, D.,et al. Protein, weight management, and satiety. American Journal of Clinical Nutrition, v.87, p.1558–1561, 2008.

Willians P. Nutritional composition of red meat. Nutrition e Dietetics, v. 64, p. 113–119, 2007.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *